5 formas de mitigar riscos nos negócios de soja e milho

Saiba como lidar com as oscilações nos preços das commodities e outros imprevistos que afetam as plantações de grãos

O mercado de commodities agrícolas oscila de acordo com as estatísticas de oferta e demanda e outros fatores inerentes à produção agrícola. O agricultor sabe bem disso e está acostumado com as reviravoltas que causam altas e baixas nas cotações. De acordo com o indicador Esalq/USP para os preços da saca de milho no primeiro semestre de 2018 na base Campinas, a mínima registrada foi de R$ 31,85, enquanto que a cotação máxima foi de R$ 45,89. “Entre a mínima e a máxima no primeiro semestre, o indicador variou 44%. 

O milho safrinha tem um risco climático muito maior do que a safra de verão e merece mais atenção”, afirma Marcos Araujo, sócio-diretor da Agrinvest Commodities, consultoria com 30 anos de atuação no mercado de soja e milho, sediada em Curitiba (PR). Diante de um cenário de oscilação como esse, contudo, o produtor não pode ficar refém de tudo aquilo que o mercado determina. Existem ferramentas importantes que protegem a renda do agricultor. Confira recomendações para minimizar os riscos que impactam na produção de soja e milho.


1 – Clima 

A lavoura de grãos funciona como uma “indústria à céu aberto”. O produtor está sempre de olho na previsão do tempo porque sabe que as intempéries impactam de forma expressiva no desenvolvimento da safra. Uma solução capaz de minimizar o risco climático é a instalação de estações meteorológicas na fazenda.

 Por meio de sensores, esse tipo de equipamento pode coletar dados precisos de chuvas, temperatura, umidade, entre outros fatores, permitindo aperfeiçoar o manejo da plantação (saiba como adquirir estações meteorológicas por meio do resgate de pontos na Rede AgroServices aqui).


2 – Cotações

Quem produz grãos precisa observar as cotações internacionais, que determinam contratos futuros e os preços no mercado físico. “O tripé de formação do preço da soja e do milho depende da cotação do bushel em Chicago, do dólar e do prêmio no porto”, explica Marcos Araujo, sócio-diretor da consultoria Agrinvest.

Contar com a ajuda de especialistas permite ganhos financeiros relevantes para o agricultor. Acompanhar gráficos de preços auxilia na tomada de decisões para a comercialização. Um exemplo disso é que picos de alta nos gráficos representam a melhor hora para vender o produto.

Mas o trabalho pode ir além, pois observar o setor de forma mais técnica e profissional também permite prever tendências. “É preciso planejar, acompanhar o mercado e garantir preços futuros remuneradores”, diz Araujo.

Como exemplo de tendência prevista pela Agrinvest, Araujo conta que o conflito comercial entre Estados Unidos e China deve favorecer as exportações brasileiras de soja. Enquanto isso, espera-se que os problemas entre Estados Unidos e México possam beneficiar as exportações brasileiras de milho para os mexicanos. “Isso reflete em bons preços no mercado brasileiro, com preços mais fortalecidos. E a taxa de cambio alta favorece excelentes ganhos para o produtor rural na temporada 2018/2019”, prevê Araujo.


3 – Câmbio

A taxa do dólar impacta na conversão da cotação do bushel de soja e milho registrada na Bolsa de Chicago para o valor em reais, que é de fato a renda do produtor brasileiro.

 A alta do dólar pode significar mais dinheiro no bolso do agricultor. Porém, ao mesmo tempo, vale considerar que muitos insumos agrícolas, em especial os fertilizantes, são produtos importados, cujos preços são calculados de acordo com o dólar. Por isso, a valorização do dólar também significa encarecimento de insumos.

 A oscilação do câmbio é um risco que o produtor precisa acompanhar com cuidado. De acordo com Araujo, atualmente o dólar está variando em torno de R$ 3,90, taxa considerada alta. “Um dos maiores riscos da safra 2018/2019 é não observar o câmbio. O produtor pode comprar os insumos com um dólar caro e depois pode vender a soja e o milho com o dólar mais baixo, aí os preços caem demais”, avalia Araujo.


4 – Riscos operacionais

O produtor também corre o risco de uma máquina quebrar durante a operação no campo. Horas com máquina parada resultam no atraso da atividade agrícola e prejuízos. Por isso que é importante realizar a limpeza do maquinário e uma manutenção adequada de toda a frota.

Esses cuidados devem ocorrer na entressafra e também durante toda a temporada. “Com um pulverizador mal regulado o produtor não consegue ter uma boa aplicação de defensivos”, cita como exemplo o sócio-diretor da Agrinvest, Marcos Araujo.

Outra orientação importante é cuidar bem da lubrificação das máquinas e também da calibragem dos pneus agrícolas, que geram impacto na tração e eficiência dos tratores em campo.


5 – Armazenagem e logística

Os problemas de armazenagem e imprevistos que impactam na logística são riscos que também interferem bastante na renda do agricultor. “Em lugares com déficit de armazenagem, os produtores são obrigados a vender no pico da colheita com descontos”, afirma Araujo. “O investimento em armazenagem dá condições ao produtor de escalonar a produção.”

Para amenizar o déficit de armazenagem, o produtor pode encontrar no silo bolsa uma solução vantajosa. De acordo com Harti Wanderlei Lenhardt, gestor de negócios da Pacifil, o silo bolsa pode ajudar o produtor em períodos de instabilidade climática, quando o secador não consegue secar os grãos na mesma velocidade da colheita. Outra utilização seria quando faltam caminhões para transportar os grãos ou quando o frete custa mais caro.

“Falando unicamente do déficit de armazenagem, é justamente neste ponto que o silo bolsa se destaca muito. Por sua versatilidade, é um sistema onde o agricultor ou trading adequam sua capacidade de armazenagem de acordo com a demanda de cada safra”, afirma Lenhardt.

Para instalar um silo bolsa na fazenda, o produtor precisa adquirir o equipamento de embolsamento e extração do grão ou contratar prestadores de serviço, preparar o terreno com limpeza e cercado. Por fim, armazenar o grão com os padrões de umidade exigidos no mercado. Entre os cuidados com a manutenção, é preciso realizar calagem e vistoria semanal e manter a área livre de roedores.

Com a utilização correta, o silo bolsa consegue conservar os grãos em ótimas condições e ter garantia de durabilidade de 24 meses. “O silo bolsa é uma ferramenta de apoio ao agricultor em diversos momentos de sua colheita, com praticidade, eficiência e baixo custo”, afirma Lenhardt (saiba como adquirir silo bolsa por meio do resgate de pontos na

Outro exemplo de risco relacionado à logística foi a greve dos caminhoneiros registrada no mês de maio de 2018. A greve surpreendeu produtores com o bloqueio de estradas e uma paralisação nacional que gerou atrasos no transporte de produtos agrícolas e prejuízos financeiros.

Como reinvindicação dessa greve, vale citar a decisão pelo tabelamento de fretes, que pode provocar alta de até 30% no transporte de grãos. “O tabelamento do frete rodoviário vai impactar numa menor receita de R$ 7,80 por saca. Isso vai custar muito caro”, diz Araujo, com dados baseados em estudo de mercado realizado pela Agrinvest. Nesse caso, o agricultor vai precisar investir em matemática financeira e planejamento para gerir os custos de produção e manter o negócio num patamar economicamente viável.

LEIA MAIS NA REDE AGROSERVICES


Uso correto e seguro de produtos

Garantir a qualidade da aplicação de agroquímicos nas plantações é fundamental. O uso de equipamentos de proteção individual, por exemplo, é obrigatório para garantir a segurança dos operadores. Também é essencial realizar o correto manuseio dos produtos e descarte sustentável das embalagens vazias. Para garantir mais segurança e eficiência durante as aplicações, os produtores podem receber treinamento por meio do resgate de pontos na Rede AgroServices. Confira a oferta de prestação de serviço aqui.


Silo bolsa

Há duas opções de silo bolsa disponíveis para resgate por pontos na Rede AgroServices, com capacidade para armazenar mais de 200 toneladas. O produtor pode optar por silo bolsa de 9 metros de largura e 60 metros de comprimento ou com 75 metros de comprimento. O equipamento é fabricado com plástico flexível em polietileno de alta tecnologia e resinas de última geração. O material tem cor branca e proteção contra os raios solares. Confira as opções aqui.


Agrinvest Intel

Por meio do resgate de pontos na Rede AgroServices, o produtor pode utilizar o aplicativo Agrinvest Intel. Trata-se de uma solução completa para auxiliar o agricultor na comercialização da safra de soja e milho. O App informa a cotação dos grãos, oferece relatórios com análises de mercado e tendências, e exibe até mesmo áudios e vídeos sobre temas que impactam na produção, como a previsão para o clima. Há diferentes opções de serviço da consultoria Agrinvestconfira ofertas aqui.

COPYRIGHT © BAYER S.A - Última atualização: 13/12/2012 (1.0.2387)