6 questões essenciais para elevar a produtividade em hortifruti

Produção de uva. Foto: Shutterstock.

Por serem exigentes quanto à aplicação de água e muito suscetíveis às pragas e doenças, espécies de frutas, verduras e legumes precisam de cuidado extra no manejo

A produção de hortifruti é considerada delicada pelos especialistas. Cultivos de uva, manga e inúmeras verduras e legumes exigem um bom manejo e, em alguns casos, são viáveis apenas com irrigação. “Toda cultura de HF é totalmente dependente de água, por isso que muitas plantações contam com irrigação”, afirma o engenheiro agrônomo e doutor em irrigação João Lelis, supervisor técnico comercial da Metos, empresa que fabrica estações meteorológicas para propriedades rurais.

De acordo com Lelis, por serem culturas extremamente sensíveis, o setor de hortifruti pede adubação adequada e cuidados específicos para as diferentes etapas de produção. “Cada estádio fenológico da cultura requer um volume específico de água. Conforme a planta se desenvolve, o sistema radicular vai crescendo e passa a exigir mais. Já na hora da colheita, o produtor precisa reduzir a irrigação para aumentar o brix (doçura) da fruta”, exemplifica Lelis. Para zelar pela produtividade de culturas tão exigentes, confira 6 orientações técnicas.

 

1 – Clima

As plantas costumam ser bastante suscetíveis às questões climáticas, que interferem muito no seu desenvolvimento afetando diretamente a produtividade. Já que o produtor não tem como controlar o clima, as plantações em sequeiro ficam expostas às intempéries. Porém, é possível aprimorar o manejo com uma previsão climática mais precisa, por meio da instalação de estações meteorológicas na fazenda. Esses equipamentos também são ótimas ferramentas para melhorar os cultivos irrigados.

Há várias opções de estação meteorológica oferecidas na Rede AgroServices, para aquisição por meio do resgate de pontos, confira ofertas de estações meteorológicas aqui. “Muitas vezes, o produtor acompanha uma previsão do tempo genérica para a região. Uma das grandes vantagens da estação meteorológica é permitir um monitoramento climático da sua própria fazenda e uma previsão do tempo local de alta resolução a fim de tomar decisões em tempo reall”, afirma Lelis.

De acordo com Lelis, o equipamento é leve e de fácil implantação. Uma estação meteorológica pesa em torno de 6,5 kg e não demora mais de uma hora para ser instalada. “A estação atende qualquer produtor rural e todo equipamento tem um gps que registra a localização exata para auxiliar na previsão. A única exigência é que o produtor tenha wifi ou sinal de celular com transmissão de dados na fazenda”, explica Lelis.

Cada estação meteorológica consegue monitorar o clima em uma área com um raio de 15 a 20 quilômetros dependendo do relevo da região. Por meio de sensores, as estações coletam dados de temperatura, umidade relativa do ar, ventos, entre outros fatores. A estação contém ainda um pluviógrafo, capaz de registrar o volume e duração das chuvas. De acordo com Lelis, esse equipamento oferece dados mais completos do que o tradicional pluviômetro, que informa apenas o volume da chuva. “O pluviógrafo registra o volume de chuva por hora. Isso é importante porque conseguimos avaliar o que de fato dessa chuva ficou retida no solo e o escoamento superficial da água”, explica Lelis.

De acordo com Lelis, a previsão climática na fazenda ajuda a melhorar os resultados. “Os dados auxiliam na época correta do plantio. Estudos mostram que, se o produtor tiver histórico com mais de 8 anos de dados climáticos, além de trabalhar com uma janela de plantio específica para a fazenda dele, consegue estimar a produtividade”, diz. As informações ficam disponíveis em uma plataforma online da Metos para o acesso exclusivo do cliente, com todo o histórico climático. A plataforma não estabelece limite de acessos por usuário nem tem cobrança de anuidade.

 

2 – Pragas e doenças

Há muitas pragas e doenças que geram perdas expressivas nas culturas de hortifruti. “O alho sofre com uma doença chamada mofo branco, que ocorre quando há muita umidade de solo com baixas temperaturas. A batata é outro exemplo de cultura que sofre com doenças causadas pela umidade de solo”, exemplifica Lelis.

De acordo com Lelis, com a estação meteorológica, é possível trabalhar com modelagens de previsão climática para criar um sistema de alertas de doenças. A Metos é parceira do Fundecitrus em um trabalho desse tipo, cujo monitoramento permite alertar produtores de citros sobre o risco de incidência da podridão floral.

 

3 – Aplicação de defensivos

O produtor constantemente precisa buscar formas de aperfeiçoar o manejo. Além de utilizar agroquímicos eficazes e seguir o receituário agronômico com doses adequadas, o agricultor deve ter muito cuidado durante a aplicação dos produtos. “A pulverização é influenciada pela velocidade do vento, temperatura e umidade. Quando esses parâmetros são obtidos erroneamente, isso significa que o produtor está jogando defensivos fora. Perdas ocorrem por evaporação e deriva”, explica Lelis. “A estação meteorológica cria um ambiente favorável para decisões de pulverização, para fazer a aplicação correta na hora certa”, diz Lelis.

 

4 – Irrigação

O agricultor busca investir em um sistema de irrigação para garantir uma colheita mais produtiva e de melhor qualidade. “A irrigação tem como finalidade básica garantir o fornecimento de agua à planta em qualquer estágio de crescimento que ela se encontre. Na aplicação da irrigação, busca-se o potencial máximo de produtividade da lavoura”, afirma o engenheiro agrônomo Paulo Molina, agroespecialista da consultoria Folha Verde Engenharia de Irrigação.

Ainda assim, por serem muito sensíveis, as culturas de hortifruti exigem cuidado, especialmente na hora de definir o sistema de irrigação. “É preciso ter cuidado com o tipo de sistema de irrigação a ser adotado, porque os produtos HF são bem suscetíveis”, diz o engenheiro agrônomo. De acordo com Molina, em algumas culturas não se deve aplicar a água diretamente nas folhas das plantas, por exemplo. Assim, o manejo requer que o produtor realize uma aplicação indireta.

Outra orientação importante é irrigar corretamente em períodos críticos que, de acordo com Molina, significam momentos em que a planta está em fase de exigência hídrica máxima. “Normalmente, as culturas de ciclo curto são exigentes e não se pode perder o momento crítico de aplicação da água. Se não atendida, o percentual de perda nessa fase é muito alto”, explica Paulo Molina.

Para auxiliar o agricultor no manejo da irrigação em hortifruti, a Rede AgroServices oferece a consultoria da Folha Verde, por meio do resgate de pontos. “A Folha Verde pode auxiliar o produtor a definir o sistema de irrigação que melhor se adapte à cultura que quer trabalhar, definindo melhor época de aplicação, lâmina a ser aplicada e em qual intensidade”, explica Molina.

A Folha Verde é uma empresa especializada em irrigação, que pode gerar projetos específicos aplicando todo o conhecimento relacionado com solos, cultura e clima. De acordo com Molina, a Folha Verde realiza um diagnóstico técnico para verificar a necessidade de irrigar, em conformidade com a região de cultivo. A operação e manejo do sistema de irrigação adotado faz parte do serviço oferecido, saiba como resgatar a oferta na Rede AgroServices aqui.

 

5 – Evapotranspiração

De acordo com Molina, evapotranspiração é o termo adotado para se medir o uso consuntivo da planta mais a evaporação, cálculo muito importante para o manejo da lavoura. “Existem fatores de cultura (kc) que nos dão a correlação entre a planta e a evaporação, para definir o quanto a cultura consome de água de acordo com a idade vegetativa. Dessa maneira temos uma medida de quanto será necessário aplicar de água para atender a necessidade hídrica da cultura. Ter essa informação correta é importante para o cálculo da irrigação de uma lavoura”, explica Molina.

 

6 – Gestão

Com foco no aumento de produtividade, o agricultor de HF precisa investir constantemente em tecnologias para o manejo e capacitar a mão de obra. Porém, somente com um bom controle financeiro do negócio o produtor terá fôlego para investir. Infelizmente, é comum observar que a gestão inadequada compromete a rentabilidade em hortifruti. “A maioria dos produtores não faz planejamento orçamentário, não sabe quais são os custos”, afirma Ronaldo Teixeira, sócio-diretor e coordenador do núcleo de agronegócio da consultoria MPrado.

 

De acordo com Teixeira, para garantir a boa condução do negócio em hortifruti, o produtor precisa saber como está o mercado e o que plantar. “Todo planejamento precisa mostrar o cenário e o histórico de custos, principalmente qual é o impacto do valor da mão de obra na lavoura”, diz ele. Os produtores podem receber consultoria da MPrado por meio do resgate de pontos na Rede AgroServices, confira ofertas de consultoria financeira aqui.

COPYRIGHT © BAYER S.A - Última atualização: 12/11/2018 (1.0.2302)