Agronegócio de pai para filho

Amizade, confiança e  companheirismo em família garantem o melhor negócio para a fazenda

Quando pensa nas lembranças da infância, a primeira imagem que salta nas memórias do advogado e administrador Henrique Fiorese é da colheitadeira de grãos. Ele se recorda com carinho da época em que tinha apenas cinco anos de idade e pilotava a máquina agrícola, no colo do pai, Oli Antonio Fiorese. Já para o irmão caçula de Henrique, o engenheiro agrônomo Kaio Fiorese, a lembrança mais marcante é quando eles brincavam em cima dos montes de soja e milho armazenados no galpão da fazenda. “Tivemos contato com a Agricultura muito cedo, a gente sempre ia para a fazenda com o meu pai. Isso fazia parte da rotina, desde muito pequenos”, lembra Henrique.

Oli Antonio aproximou os filhos das atividades agrícolas de forma espontânea e lúdica e jamais impôs o mesmo destino profissional, mas seguir os passos do pai foi inevitável. Conforme Henrique e Kaio cresciam, os cultivos na fazenda progrediam e ficavam cada vez mais interessantes aos olhos deles. “Com 15 anos, eu já pretendia estudar Agronomia para trabalhar nos negócios da família”, conta Kaio Fiorese. 

Henrique também teve total liberdade para escolher qual rumo seguir, optando por cursar Direito e Administração. No entanto, em 2012, o primogênito também decidiu trabalhar na fazenda. “Meu pai cuidava de tudo sozinho e estava sobrecarregado. Antes de me formar, eu comecei a ajudar na parte administrativa da fazenda. Fui aplicando os meus conhecimentos e gostei, foi um processo natural”, diz Henrique. 


Sociedade em família

Os fortes laços de amizade e companheirismo transformaram o pai e seus dois filhos em sócios. Juntos, eles comandam a Fazenda Nossa Senhora Aparecida, que possui 2,8 mil hectares cultivados com soja, milho, trigo e feijão irrigado em Água Fria de Goiás (GO). “Eu sinto muito orgulho de ver o negócio crescer junto com os meus filhos. É muito gratificante ver que esse patrimônio vai ter sequência e não vai se perder”, afirma o pai Oli.

Nos últimos anos, muita coisa mudou na Fazenda Nossa Senhora Aparecida. O controle administrativo, que funcionava com anotações em papel, passou a contar com programas de computador e o pagamento dos funcionários, antes feito com cheques, mudou para a transferência bancária. “Melhoramos muito o gerenciamento, o controle fiscal e financeiro”, conta Henrique.

O pai reconhece que chegada dos filhos na gestão promoveu muitas mudanças que modernizaram a fazenda. “Eles trouxeram muitas novidades em tecnologia e computação para o negócio”, diz Oli. Por outro lado, os filhos enxergam o trabalho do pai como um alicerce importante que deve ser preservado. “A experiência do meu pai é uma base sólida, esse conhecimento que ele transfere para a gente é muito favorável para o negócio”, diz Kaio. 


Diálogo, organização e confiança

Em vez de conflitos entre gerações, a sociedade entre pai e filhos está funcionando muito bem. Segundo Henrique, isso é possível com diálogo e respeito às opiniões. “O meu pai é tradicional, mas ao mesmo tempo ele é aberto às novidades. Ele sabe que a Agricultura é um negócio muito dinâmico e precisamos ficar atentos às tecnologias para evoluir”, diz Henrique.

A harmonia entre os sócios também foi conquistada com planejamento e organização. Eles estipularam um percentual de ganhos mensais para cada um, as tarefas são bem definidas e os sócios se reúnem pelo menos uma vez por semana para monitorar as atividades agrícolas e tomar decisões de gestão. “Sabemos a competência de cada um e planejamos em conjunto. E a grande vantagem é que fica tudo em família, não temos a interferência de terceiros nas decisões”, diz Oli.

Kaio comanda as operações de campo, Henrique fica à frente da área administrativa e financeira e o pai cuida da coordenação geral da fazenda. “Eu não sou o único que toma decisões. Os meus filhos participam de tudo, eles se sentem motivados e valorizados.”, diz Oli. Segundo eles, um fator que corrobora para a prosperidade do negócio é a confiança. “A gente confia de olhos fechados um no outro e se ajuda. Isso não tem preço”, diz Henrique. Para Oli, a honestidade é a característica mais importante na sociedade. “O que eu mais admiro e consegui passar para os meus filhos é que a pessoa precisa ser coerente e honesta. A credibilidade e a confiança são preservados na família”, afirma o pai. 


Sucessão familiar

O rumo profissional de Henrique e Kaio não chega a ser inédito. Eles já representam a quarta geração de agricultores, uma tradição na família Fiorese que vem do tataravô. Um elemento importante que motivou a sucessão familiar é a admiração pelo pai. “Mesmo sem ter feito um curso técnico ou Agronomia, meu pai se encontrou na atividade agrícola e prosperou”, diz Henrique. “O meu pai tem paixão pelo negócio. Ele não acorda cedo por obrigação, ele acorda por amor ao que faz, porque a fazenda é a vida dele. Tenho muito orgulho de falar que meu pai tira da terra o alimento e o nosso sustento.

”Durante viagem aos Estados Unidos, Henrique visitou propriedades rurais e observou que é raro ver os filhos dos agricultores na fazenda. “Os filhos vão para a cidade e o proprietário fica sem saber o que fazer com o negócio”, afirma Henrique. “Para quem quer continuar no negócio agrícola, é muito importante a sucessão.

”Ao contrário do que está acontecendo com as famílias americanas, no Brasil, a história da família Fiorese é um belo retrato de como a vocação para trabalhar no agronegócio vem sendo transmitida de pai para filho. Para continuar com essa tradição, Oli recomenda que os agricultores valorizem mais os seus filhos no campo. “A gente precisa mostrar para eles a importância da agricultura para o mundo. A família que consegue fazer a sucessão do negócio tem uma satisfação muito grande”, diz Oli. 


Pplanejamento para a sucessão

Os agricultores que desejam engajar os filhos nas atividades da fazenda e planejar a sucessão familiar podem contar com o suporte profissional de uma consultoria especializada. A Bayer oferece várias opções de consultoria por meio do resgate por pontos na Rede AgroServices, confira as ofertas aqui.

Ainda não participa da Rede AgroServices? Clique aqui  para se cadastrar. Quer sugerir um tema para reportagem no site? Envie um e-mail para redeagroservices@bayer.com.

COPYRIGHT © BAYER S.A - Última atualização: 13/12/2012 (1.0.2387)